23 março, 2010

gritos na noite


Apetece-me gritar, em voz muda estancada perante o teu rosto imóvel. Tenho de gritar-te para que repares em mim. Para que me vejas, me notes, me destaques. Porque não quero ser sombra por entre os demais, não quero ser um banco de jardim vazio na travessia, uma mala esquecida que se deixa para trás numa qualquer estação desta vida.


Queria ter cor. Queria mesmo ser luz.

Queria ter som, ter corpo, ser alguém. Ser A. Aquela. A que te povoa os sonhos, te prova os lábios de manhã, te consome o corpo de noite. Te encaixa, te pertence, te dá, te recebe. Te embala suavemente no peito, te faz amor devagar, nos lençóis da tua cama.


Eu queria.... e desejo-o, como um suspiro no coração, enquanto me diluo na noite escura e tu passas por mim sem me sentir o perfume, perdido que estás por entre a multidão de rostos que para ti fala...

2 comentários:

LBJ disse...

Por onde andas tu luz na sombra?

luz disse...

À procura do meu lugar... parece que não caibo em nenhum canto!