21 julho, 2009

do cansaço

Quando o cansaço se acumula como um peso de mil anos no corpo, a vida fica mais longe. Fica mais curta, fica mais amarga.
E eu fico impaciente, dura, uma parede de vidro que não deixa passar a luz, o riso, a alegria.
Até as palavras me fogem, assustadas com a dimensão deste ogre em que me transformo. Não as culpo, não lhes tenho carinho agora.
Até pensar me dói.
Até quando vou aguentar, não sei.
Preciso parar.

2 comentários:

LBJ disse...

O cansaço cansa :(

Beijos

luz disse...

E muito, LBJ, muito...
Outro!