06 junho, 2009

burnt

Não sei em que momento aconteceu, não registei o instante no tempo.

Talvez devesse tê-lo feito, como um gira-discos que fica riscado e não volta a passar a música para a frente.


Mas ainda tenho medo de que a fogueira de novo se acenda, de que exista um resto das cordas grossas que me amarravam dentro de mim. Um farrapo apenas, uma palavra mal apagada com a borracha, um rescaldo de guerra que possa colocar-me de novo nesse banco dos réus de onde há tão breves momentos saí.

Não sei em que momento aconteceu, quando cortei as fotos de memórias dentro de mim, quando te rasguei, quando te queimei. Ainda há cinza quente, ainda há restos a arder. Por isso, preciso ter cuidado. Humpty-dumpty, sitting on a wall. I don't wanna fall.

O caos da liberdade trouxe um gosto amargo e o necessário rearranjo da história, que agora se escreve sem as letras do teu nome. Mas mais leve, com menos peso, menos dor. E eu que pensava que eras tu quem eu sonhava! Tonta que fui...


Acabaram-se as esperas.

Rasguei o véu da ilusão que me cobria.

Matei-te em mim, mas tenho medo. Das outras vezes voltaste e deixei-te entrar, fantasma com voz de mar.

Agora não, agora não.


Passam os dias, caminham sobre mim as noites. E recomeço a viver, uma outra vida.

Uma dúvida persiste em insinuar-se-me... terá sido de morte matada ou foi apenas de morte fingida?


Have faith, my child, for you are strong - that's what I keep telling myself. Hope it works. Hope it does.

4 comentários:

Icon disse...

Vim aqui de fugida...
Quero tempo para ler-te mais!!
voltarei!

Luz disse...

Volta sim, Icon ;)

Censurada disse...

Olá Luz, thanx!
Como qualquer outro "louco" tb eu vou exprimentando fases diferentes, só espero que não me roubem a loucura :D

Quanto ao "luz na sombra" em duas palavras, A-MEI

Bjocas larocas

***

Burnt

Texto fabuloso

Quanto à dúvida, para mim é fingida toda a morte que se quer "matada"

É fingida porque ninguém mata um sentimento, só podemos substitui-lo.
Por isso não te rales «VAI DAR NO MESMO»

Luz disse...

Censurada, obrigada pelo teu comentário, foi fabuloso! Um ponto de vista que ainda não tinha pensado... isso para mim é excelente! :)